O Ministério Público acatou a representação do SINDSERV e instaurou um inquérito civil para investigar os fortes indícios de superfaturamento na aquisição do material.

Além de caríssimos, os livros da Editora Aymará são desnecessários, pois só chegarão em agosto, a praticamente 4 meses do fim do ano letivo. São dispensáveis também porque as escolas e os alunos já contam com os livros didáticos enviados pelo MEC.

Cada livro de 40 páginas custa R$ 79,83, o que corresponde a um custo de R$ 2,00 por página.

A instauração do inquérito civil significa que assim como o sindicato, a 12ª Promotora de Justiça Marisol Lopes Mouta Cabral entendeu que há motivos suficientes para a suspeita de irregularidades no pegrão eletrônico.

Uma comissão de professores, juntamente com o sindicato, deverá ir até o MP para fornecer detalhes que se façam necessários para as investigações.

Deixe um Comentário

Você precisa fazer login para publicar um comentário.