VAMOS NOS ORGANIZAR PARA REAGIR AOS ATAQUES QUE VIRÃO POR AÍ!!!

ASSEMBLEIA SOBRE A CAPEP – DIA 27/05 – 5ª FEIRA – 19 HORAS
SINDICATO DOS METALÚRGICOS (Av. Ana Costa, 55)

 VEJA O QUE A SUPERINTENDÊNCIA E OS CONSELHEIROS DA CAPEP PLANEJAM PARA ESTE ANO:

Manter a E&E na gerência da Capep
O contrato com a empresa vence em julho e a superintendência  já afirmou que a intenção é renovar o contrato com a empresa que todos os meses embolsa R$ 184 mil para não melhorar em nada nossa assistência médica. Com a maior cara de pau dizem que agora não dá mais tempo fazer concurso para os cargos técnicos. A verdade é que nunca tomaram providências para isso porque a intenção era deixar tudo como está.
 
Pagar mais R$ 600 mil para a E&E
Outra intenção é pagar mais R$ 600 mil a empresa para "honrar obrigações contratuais". Não há nenhuma cláusula no contrato que preveja isso. Na verdade a E&E recebeu além do que deveria, pois a Capep paga R$ 6,80 por cada usuário à empresa e fez isso por vários meses considerando que a Capep administra 30 mil vidas, o que corresponde à realidade. Só uma auditoria porderá comprovar que quem ficou no prejuízo foram a Capep e nós, servidores.

Manter a suspensão do convênio com o Hospital do Câncer
Hoje os servidores novos só conseguem se tratar no HC mediante ações judiciais. Os conselheiros e o superintendente da Capep dizem que o serviço de quimioterapia em Santos é ótimo que não é necessário ir à São Paulo. Só falta chegarem ao cúmulo de indicar a Beneficência Portuguesa, que responde a processo crime no escândalo das bombas de cobalto.

Diminuir o número de médicos
O objetivo é manter na rede credenciada apenas os médicos com maior número de servidores entre seus pacientes. Não bastasse o descredenciamento em massa por causa dos atrasos no pagamento aos profissionais, a lista de médicos disponíveis ficaria ainda mais reduzida do que já é. Hoje não temos nem psiquiatras, endocrinologistas e nem ao menos cardiologistas no plano.

Criar um ambulatório na sede da Capep
A ideia é contratar médicos das especialidades mais procuradas como ginecologia, pediatria e cardiologia para atenderem na própria sede da Capep. As filas de espera para passar por uma consulta, que já são enormes, ficariam ainda maiores.

Implantar sistema de co-participação
Com esse sistema o servidor tem que ratear, além das cirurgias, as despesas com exames, consultas e outros procedimentos. O argumento é que essa seria uma medida pedagógica, para “ensinar” os servidores a não ficar se consultando ou fazendo exames toda hora. Os conselheiros costumam dizer que a dupla taxação forçaria os trabalhadores a desistir de pegar guia várias vezes.

NÃO VAMOS ESPERAR SENTADOS PELO PIOR!!!

COMPAREÇA NA ASSEMBLEIA!!!

 

 

Deixe um Comentário

Você precisa fazer login para publicar um comentário.