Charge: A CAPEP Saúde está em uma sala e o médico diz: "Seus exames revelam falta de pagamento do governo e tentativa de terceirização"

Foi essa a fala final da atual presidenta da autarquia, Gilvânia Alvares, na Audiência Pública de Prestação de Contas realizada no dia 27/04: “Qualquer informação a mais é só pedir. (…) De 2018 pra cá nós temos tudo arquivado, mas pra trás não temos porque queimaram”.

Mais que isso: nessa mesma audiência o ex-Secretário de Gestão, Cacá Teixeira, assumiu que o objetivo do Eustázio e do governo era terceirizar a CAPEP: “Sim, há 4 anos atrás se pensou em terceirizar a CAPEP. A presidência anterior levou essa questão para discussão (…). Consultamos Unimed na ocasião (…) e outros planos de saúde para terceirizar”.

A luta dos servidores impediu isso e ainda fez o Eustázio cair, mas ele deixou R$ 11 milhões de dívida. Agora sabemos que enfiar a CAPEP no buraco era, na verdade, a missão do Eustázio para depois Paulo Alexandre poder justificar sua terceirização.

AGORA QUEREM QUE OS TITULARES E DEPENDENTES PAGUEM A CONTA

Agora só se fala que “todos devemos ceder”, “não é possível manter a CAPEP desse jeito”, “temos que aumentar a contribuição dos dependentes”, “coparticipação” etc. Não temos nenhum problema em fazer uma SÉRIA DISCUSSÃO com TODOS os titulares e dependentes sobre eventuais aumentos. Porém, antes de qualquer coisa o governo tem que fazer a sua parte:

1) PAGAR os mais de R$ 3 milhões de DÍVIDA à CAPEP dos precatórios não pagos;

2) AUMENTAR o repasse patronal até fechar o ROMBO deixado pelo antigo presidente, INDICADO única e exclusivamente pelo GOVERNO;

3) REAJUSTAR dignamente os salários dos servidores. Os 10,06% significarão um aumento de R$ 7,2 milhões/ano na arrecadação da CAPEP, se o governo reajustasse PELO MENOS com a inflação, seria o dobro pra CAPEP. As negociações não estariam abertas até setembro? Está aí a OPORTUNIDADE do governo mostrar que realmente se importa com a CAPEP.

DÍVIDA ATUAL

Fechamos 2021 com R$ 8.662.625,71 de dívida (o que deveria ser pago até 31/12/2021, mas não foi). A CAPEP só não fechou as portas porque ganhou uma antiga Ação na Justiça contra o Banco do Brasil de R$ 15.485.606,06 e o governo foi obrigado a ceder um aporte de R$ 4.500.000,00.

Fora isso, o passivo circulante (obrigações a serem pagas no ano) aumentou significativamente em 2021:
– 2018: R$ 11.458.382,47;
– 2019: R$ 12.633.840,84;
– 2020: R$ 11.887.502,61;
– 2021: R$ 16.130.310,39.

Outra preocupação é a JUDICIALIZAÇÃO. Em 2021 foram 19 Ações na Justiça do sindicato-amigo-do-patrão contra a nossa CAPEP. Ações que geraram DESFALQUE DE MILHÕES.

MAS A CONTA FECHA SIM

Em 2021, se não tivéssemos ganho a Ação e sem o aporte, a dívida seria de R$ 28 milhões. Em 2022 já teremos um acréscimo na arrecadação R$ 7.200.000,00 por conta do aumento de 10,06% da campanha salarial.

Se o governo fizer a sua parte, a CAPEP fecha 2022 sem dívida nenhuma:
– R$ 28 milhões
+ R$ 7,2 milhões (que já vai entrar com o reajuste de 10,06%)
+ R$ 7,2 milhões (se o governo reajustar pelo menos pela inflação)
+ R$ 11 milhões (se o governo pagar a dívida deixada pelo Eustázio)
+ R$ 3 milhões (se o governo pagar o que deve dos precatórios)

Ou seja, se repetir o mesmo cenário e o governo fazendo a sua parte, fechamos 2022 sem dívida.

Portanto: A CAPEP É VIÁVEL NA SUA FORMA DE SOLIDARIEDADE ATUAL!
VAMOS CONTINUAR LUTANDO POR ELA!
NÃO CAIA EM CONVERSINHA FIADA!

A CAPEP É NOSSA, TEMOS QUE DEFENDÊ-LA!

Links

Audiência Pública de Prestação de Contas realizada no dia 27/04;
Apresentação.