A assembleia realizada nesta quarta-feira foi histórica. Os trabalhadores aprovaram um plano de carreira que, se não é exatamente o ideal, avança muito e não retira direitos já assegurados como os quinquênios.

Também foram aprovados  os 7% de reajuste anual, 7% de aumento da cesta básica, 7% de auxílio-alimentação e permanência do percentual de 1% a mais pago pela PMS à Capep, somando 4% de contribuição.

PLANO

O plano de carreira referendado pela assembleia não tem qualquer semelhança à proposta elaborada pela Fundação Getúlio Vargas. Se aprovado pela Câmara até o início do mês que vem, trará o reenquadramento dos servidores conforme o nível e tempo de serviço (5% para 5 anos; 11% para 10 anos, 16% para 15 anos, 22% para 20 anos, 28% para 25 anos, 35% para 30 anos e 41% para 35 anos ou mais).

Para quem tem 20 anos de carreira, por exemplo, o reenquadramento mais o reajuste de 7% se reverterá em ganhos de 29% no rendimento.

Um ajudante de geral com 20 anos de prefeitura que hoje tem vencimento total de R$ 951,94, passará a ganhar R$ 1.287,82.

Um oficial de administração com o mesmo tempo de carreira passa de R$ 1.382,80 para R$ 1.786,49. 

A cada três anos o servidor evoluirá de referência, com aumento salarial de 3%. Essa progressão pode ocorrer até 13ª referência.

O novo plano também assegura adicionais de titularidade. Os servidores que apresentarem diploma de graduação recebem R$ 200,00. Para pós-graduação, mestrado e doutorado, os adicionais são de R$ 400,00, R$ 800,00 e R$ 1.200,00, respectivamente.

Os itens que tratam de adicionais por avaliação de desempenho não constarão desta lei. As posições sobre o assunto são muito divergentes entre sindicatos e o Governo e, por isso, houve o compromisso de que o tema será objeto de futuras discussões e negociações para incorporação no plano.

Todos os detalhes foram longamente discutidos em reuniões que duraram os dois períodos do dia de ontem e de hoje (13 e 14/03). Participaram das mesas de negociações um grupo técnico do governo e dois representantes do Sindserv e do Sindest. Nesta quarta-feira a reunião teve também a participação direta do prefeito Papa. 

Enquanto o reajuste de 7% será retroativo a fevereiro, o plano de carreira começa a vigorar no pagamento de 25 de junho.

A categoria aprovou em assembleia a necessidade de os servidores se manterem mobilizados para que o plano negociado e aprovado pelos trabalhadores seja votado e aprovado na íntegra e sem emendas pelos vereadores o mais rápido possível. O objetivo é evitar conflito com a lei eleitoral, que veda qualquer tipo de aumento salarial acima da inflação a partir de 6 de abril. Neste sentido, um ato foi marcado para o dia 22 deste mês, às 18 horas, durante a sessão da Câmara.

Outra deliberação da assembleia é a participação dos sindicatos numa reunião de apresentação do projeto de lei aos vereadores nesta quinta-feira, junto com o prefeito. O horário e o local da apresentação ainda não estão confirmados.

PARABÉNS A TODOS QUE PARTICIPARAM DESTA BATALHA! A LUTA PELA VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES CONTINUA!

NENHUM DIREITO A MENOS! AVANÇAR NAS CONQUISTAS! 

 

 

Deixe um Comentário

Você precisa fazer login para publicar um comentário.