Um grupo de delegados e participantes da 9ª Conferência Municipal de Saúde, realizada em Santos, no último final de semana, ingressará nesta terça-feira com uma representação no Ministério Público denunciando irregularidades praticadas durante o evento.

Segundo o grupo, que ontem decidiu criar o Fórum Permanente de Delegados e Participantes da 9ª Conferência Municipal de Saúde, o regimento da conferência foi desrespeitado em vários pontos, ferindo o princípio democrático do evento.

As 120 propostas formuladas nos 12 grupos temáticos organizados na conferência não foram discutidas na plenária final, sendo aprovadas de forma direta e sem leitura. “Desta forma o delegado que participou do grupo da saúde mental, por exemplo, não teve oportunidade de conhecer, debater e votar as propostas do grupo de trabalho referente à saúde do idoso”, explicou uma participante da conferência, Ângela Medeiros.

Outro delegado que denuncia irregularidades no evento é Jefer Castelo Branco. Segundo ele, os locais onde os integrantes dos grupos foram encaminhados foram impostos. “O próprio computador definia para qual sala deveríamos ir. Eu sou da área de poluentes e tive de participar do grupo de saúde bucal”.

No regimento outro item desrespeitado foi a análise das diretrizes do biênio anterior e a eleição dos delegados que representarão a cidade na Conferência Estadual. Também previstas no regimento, essas determinações não foram seguidas.

Diante de tudo isso, cerca de 20 pessoas que compõem o Fórum pretendem já nesta terça-feira encaminhar a representação ao MP pedindo a investigação dos fatos para efeito de anulação da conferência.

Além do MP, o Conselho Nacional de Saúde também foi notificado por meio de ofício com relato de todos os acontecimentos.

Deixe um Comentário

Você precisa fazer login para publicar um comentário.