Cerca de 500 trabalhadores que atuam em cinco secretarias municipais localizadas no prédio do Banco do Brasil, no Centro, deixaram seus afazeres para participar de assembleia informativa, chamada pelo SINDSERV, na manhã desta quinta-feira.

A assembleia começou às 8h e prosseguiu até por volta das 9h. Os trabalhadores ficaram indignados
ao serem informados de que a prefeitura não garante sequer a reposição da inflação e o respeito à data-base (fevereiro) da categoria.

Segundo os diretores do Sindserv, ontem, em reunião realizada com o sindicato, o secretário de Gestão, Fábio Ferraz, afirmou que o ideal é que o funcionalismo espere até junho, quando, talvez, seria possível conceder aumento.

Os diretores citaram então que a data base é garantida por lei e o representante do Governo perguntou: ‘Que lei?’

Diante da postura do Governo, o Sindserv não descarta a realização de paralisações e até greve. Para decidir formas de mobilização e pressão, será realizada uma assembleia no dia 7 de março, às 19h, no Sindicato dos Bancários (Av. Washington Luis, 140). É importante que a categoria compareça em peso!

Em assembleia realizada em janeiro, os trabalhadores decidiram lutar por um aumento de 16,2% este ano. O índice corresponde a 6,2% de reposição da inflação medida pelo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) mais 10% como compensação de parte das perdas salariais passadas.

A pauta de reivindicações definida pela maioria compreende ainda:

* Aumento da cesta básica para R$ 306,34, extensiva a todos os trabalhadores até o nível N- P e para todos os aposentados;

* Auxílio-alimentação de R$ 440,00 (R$ 20,00 por dia);

* Contribuição da PMS de 1% da folha para a Capep Saúde;

* Nomeação imediata de todos os concursados;

* Abertura de uma mesa permanente de discussão sobre o PCCV

NENHUM DIREITO A MENOS! AVANÇAR RUMO A NOVAS CONQUISTAS!

Deixe um Comentário

Você precisa fazer login para publicar um comentário.