Além de, covardemente, apelar para a Justiça contra as Cozinheiras, o governo Paulo Alexandre Barbosa (PSDB) foi às redes sociais tentar colocar a população contra a luta das trabalhadoras. Felizmente, mentira têm perna curta, vamos a elas:
 
1) Os trabalhadores só estariam reivindicando aumento salarial e redução de carga horária
O governo MENTE ao esconder que uma das principais reivindicações dos servidores é por melhores condições de trabalho. São inúmeras situações que deixam o trabalho mais penoso do que deveria ser, como: Falta de funcionários (escola com mais de 1500 alunos com 3 cozinheiros pros 3 períodos), uniformes, EPI, gêneros no cardápio (feijão, molho, sal, óleo e leite), produtos de limpeza, equipamentos, manutenção nos equipamentos essenciais (geladeiras, fogões e freezer) e da estrutura das cozinhas (vazamento de gás constante, chuva dentro da cozinha, parede caindo…) e produtos em péssimas condições de uso (bolinho mofado, arroz mofado).
 
Veja no final desse vídeo as cozinheiras relatando as condições de trabalho e imagens que comprovam o estado das cozinhas:
 
 
2) O salário dos cozinheiros seria de R$ 2.183,09
NA VERDADE, o salário base das(os) Cozinheiras(os) e das Merendeiras é de R$ 1.394,57. E o das(os) Ajudantes de Cozinha é de R$ 1.198,67. O governo tenta fazer a população crer que os trabalhadores da cozinha reclamam de barriga cheia incluindo no salário o auxílio alimentação, cesta básica e outros benefícios que NÃO SÃO SALÁRIO!
 
3) A redução de carga horária seria um privilégio
Em situações normais, o trabalho dos profissionais da cozinha já é extremamente desgastante. Nas cozinhas da Prefeitura esse ofício se torna mais penoso ainda graças às "ótimas" condições de trabalho oferecidas pelo governo. O que as cozinheiras pedem não é nenhum luxo, é apenas a preservação da saúde dos trabalhadores que é altamente prejudicada no exercício das atividades na cozinha. Outros cargos já conseguiram o direito as 30h pelos mesmos motivos.
 
4) O TJ-SP já teria julgado o Recurso do SINDSERV e mantido a greve como ilegal
O Tribuna de Justiça de São Paulo ainda não julgou o Recurso do sindicato. Julgou sim outra Ação da Prefeitura de "Dissídio Coletivo de Greve" onde requisitou uma audiência de conciliação que será realizada na próxima terça-feira (14), às 14h30, em São Paulo, na presença da Prefeitura de Santos, do SINDSERV e do Ministério Público. 
 
5) A greve deveria ser comunicada com 3 dias úteis de antecedência
A regra é clara: Segunda a Constituição Federal (lei máxima de nosso país), os trabalhadores precisam avisar 48 horas antes, veja: "Parágrafo único. A entidade patronal correspondente ou os empregadores diretamente interessados serão notificados, com antecedência mínima de 48 (quarenta e oito) horas, da paralisação."
 
6) O preparo de alimentação seria uma das chamadas "atividades essenciais"
A regra é clara: A Lei de Greve estipula quais são essas atividades e o preparo de alimentação não é uma delas. Por causa desse erro, o juiz entendeu que o aviso deveria ser feito com três dias de antecedência e que deveria ter um acordo para que o serviço continuasse minimamente.
 
TODOS ao PANELAÇO com ASSEMBLEIA
10/06 (sexta-feira) a partir das 18h na Praça da Independência no Gonzaga
Governo covarde foi à Justiça. Cozinheiras vão às ruas!!!
LEVE SUA PANELA!
 

Deixe um Comentário

Você precisa fazer login para publicar um comentário.