Os jornalistas de A Tribuna cruzaram os braços por duas horas na última quinta-feira, dia 11, como uma advertência à intransigência dos donos do veículo.

A paralisação foi considerada histórica, já que há décadas a categoria não se unia para lutar por direitos. A atividade contou com a distribuição de uma carta aberta aos leitores e à população santista e com um carro de som na porta da sede da empresa e teve o objetivo de pressionar a diretoria a abrir um canal de negociação para discutir reivindicações da Campanha Salarial.

A seguir, reproduzimos o teor do documento que traduziu todo o descontentamento dos quase 120 profissionais – jornalistas, fotógrafos, diagramadores e ilustradores – que trabalham no veículo de comunicação.

Carta aberta aos santistas

A Tribuna não respeita jornalistas e leitores

O centenário jornal A Tribuna vem ignorando reivindicações da redação, apresentadas pelo Sindicato dos Jornalistas no Estado de São Paulo (SJSP), que visam melhorar as condições de trabalho para os jornalistas.

Esta postura é um desrespeito aos profissionais e, consequentemente, aos leitores, que não fazem a menor ideia da real situação que assombra o jornal nos últimos tempos – a combinação de desestímulo profissional com precarização do trabalho. Até o cafézinho está saindo do bolso dos jornalistas.    

Recentemente, a Diretoria Regional do SJSP encaminhou ofícios solicitando encontro para resolver questões pontuais que há muito vem tirando o sono e causando insatisfação aos jornalistas – principais responsáveis pelo conceituado nome que A Tribuna ainda mantém na região. Porém, por intermédio de ofícios propositadamente equivocados, a Direção da empresa insiste em ganhar tempo e empurrar o problema local para debaixo do tapete.    

As reivindicações são simples, para um jornal centenário e que detém praticamente 90% do mercado publicitário da Baixada Santista: pagamento do piso salarial da Capital para jornalistas, fotógrafos,  diagramadores e ilustradores; pagamento da diferença dos pisos para subeditores e editores; plano de cargos e salários; volta do pagamento do quinquênio; aumento do vale-refeição e Participação nos Lucros e Resultados (PLR) equivalente ao piso de cinco horas.

Por outro lado, no mesmo tempo que se mostra insensível aos apelos dos jornalistas da casa, A Tribuna promove eventos regionais bancados pelo poder público e iniciativa privada; realiza reformas no prédio da Avenida João Pessoa; congela salário da maioria da redação a ponto de jornalistas fazerem “bicos” para sobreviver e, o que é pior, explora mão de obra de estagiários, contrariando a Lei de Estágio do Governo Federal.

A situação está insustentável e, dia a dia, o jornal vem perdendo bons profissionais. Infelizmente, alguns se desligam da empresa por falta de incentivo profissional e outros por falta de saúde devido à intensiva pressão editorial, carga horária anormal (a ponto de jornalistas baterem o cartão e voltarem para trabalhar) e ambiente de trabalho que estimula a bajulação e a delação como formas rápidas de se alcançar promoção. 

O resultado de toda essa dura realidade não poderia ser outro: a perda diária de leitores, pelo simples fato do jornal A Tribuna não estar respeitando o que é mais precioso numa empresa que vive da notícia: o jornalista.

Sindicato dos Jornalistas no Estado de São Paulo (SJSP)

Deixe um Comentário

Você precisa fazer login para publicar um comentário.