Na última quinta, às 10h30, no auditório Princesa Isabel, foi realizada uma audiência pública sobre os problemas encontrados pelos servidores municipais em razão da Caixa Econômica Federal ter assumido o pagamento de nossos salarios.

A presidente da Comissão Permanente dos Serviços Públicos, Cassandra Maroni, convocou a secretária de finanças para que esta desse informações sobre o contrato com a CEF. Lá estavam presentes os diretores do Sindserv, que inicialmente propestaram contra o horário do evento.

A vereadora que presidia a audiência concordou com a reivindicação e disse que sempre tem tentado convencer a mesa diretora sobre a impossibilidade da participação de trabalhadores em reuniões realizadas durante o dia e que o período noturno seria o ideal.

A secretária tentou justificar a contratação da CEF, dizendo que foi uma determinação do Tribunal de Contas e que outros bancos não demostraram interesse. Disse também que a PMS está recebendo pelo contrato o valor de R$ 15 milhões e que todas as ações deste governo, inclusive esta, visam atender aos interesses do servidores (quanta ironia).

Representantes do Sindserv usaram a palavra e fizeram as seguintes cobranças: melhora no auto-atendimento, reposição frequente de cédulas para evitar as impossibilidades de saque ocorridas muitas vezes, ampliação do horário de auto-atendimento, mais caixas eletrônicos em shoppings e, em especial, na Zona Noroeste, onde os servidores têm que pagar o próprio bolso para ir até o centro de Santos ou de São Vicente no dia 15 (adiantamento) e no dia 25 (pagamento).

Fim dos limites de saque e de pagamentos de contas (hoje só se pode pagar contas até R$ 1.000,00 por dia), atendimento aos servidores em outras agências além da localizada no Centro, respeito à legislação municipal referente ao tempo de permanência nas filas e contratação de mais bancários.

Também foi discutido que o valor de R$ 15 milhões deveria ser revertido em beneficios ao funcionalismo, como reajuste salarial ou para melhoria no atendimento na Capep e não para engordar ainda mais as contas da Prefeitura. Será agendada uma reunião entre o banco, Prefeitura, sindicatos e vereadores para sanar as deficiências encontradas.

Deixe um Comentário

Você precisa fazer login para publicar um comentário.