Não passou batida a votação do "reajuste" salarial dos servidores, "reajuste" esse que não cobre nem a inflação (11%, enquanto que o INPC de janeiro foi de 11,31%).
 
Em mais uma ação da campanha salarial, os servidores manifestaram-se dentro e fora da Câmara para denunciar com panfletos em forma de chequinho os últimos ataques sofridos pela categoria, pois o prefeito se negou a reajustar decentemente os salários dos servidores, mas: 
 
-Gasta mais de 25 milhões ao ano com apadrinhados e indicados por vereadores, os chamados “chequinhos”;
 
-Sequestrou perto de 20 milhões das aposentadorias dos servidores para pagar a terceirização do Pronto Socorro Central e entregá-lo a uma Organização Social (OS) com contas questionadas em outras cidades. Em apenas 5 anos o rombo nas aposentadorias será de 100 milhões. Outras cinco unidades de saúde (PS Leste, PS Noroeste, Estivadores, Hospital Domingues Pinto e Maternidade) também estão na mira da entrega sem licitação;
 
-Mantém funcionando secretarias completamente desnecessárias, geradoras de dezenas de cargos de confiança usados como moeda de barganha entre partidos políticos;
 
-Pela total falta de planejamento, há diversas obras paralisadas ou atrasadas. Muito dinheiro virou ferrugem e a conclusão dessas obras ainda será utilizada como apelo para a reeleição.
 
Chequinho do Paulo Alexandre e vereadores
 
Os vereadores ficaram incomodados com a chuva de chequinhos no auditório e mandaram a Guarda Municipal retirar a força os servidores que protestavam durante a plenária.
 
Diretores do SINDSERV foram obrigados a sair da sessão
Diretores do SINDSERV foram obrigados a sair da sessão
 
Servidores foram retirados a força
Servidores foram retirados a força
 
Hipocrisia
Porque os nobres vereadores se incomodaram tanto com os nossos chequinhos se NUNCA fizeram nada contra os VERDADEIROS chequinhos distribuídos pela Prefeitura para manter e ampliar seus currais eleitorais? 
 
Estão apenas encobrindo a prática nefasta do Executivo sem fiscalizar (principal função de um vereador) ou também teriam eles indicado alguns "parceiros" para os cabides de emprego?
 
O reajuste foi aprovado em primeira "discussão" no dia 18 e em segunda discussão no dia seguinte, no período da manhã, em uma sessão extraordinária realizada somente para isso. Os legisladores ficam o ano inteiro reclamando que a população não participa, não comparece nas sessões da Câmara, mas quando os trabalhadores comparecem eles usam de manobras regimentais para fugir de manifestações contrárias. Haja hipocrisia!

Deixe um Comentário

Você precisa fazer login para publicar um comentário.