TODOS NO ATO DE ENTREGA, NESTA SEXTA (12), 17h, NO PAÇO

Os servidores de Santos deram início à Campanha Salarial 2022 e decidiram entregar ao Governo a Pauta de Reivindicações da categoria nesta sexta-feira (12), às 17h, em ato no Paço Municipal.

É importante o maior número possível de pessoas na entrega do ofício para mostrarmos desde já a disposição em lutar pela reposição da inflação e pela compensação de parte das perdas acumuladas em diversos anos sem reajustes e pelos recentes aumentos de descontos no salário.

Veja abaixo os 10 itens da pauta de reivindicações aprovada na assembleia desta quinta (11).

  • REAJUSTE SALARIAL de 24,62%, sendo 17,62% referentes à inflação desde março de 2019 (IPCA), 2 % referentes à reposição das perdas derivadas do aumento da alíquota de contribuição previdenciária dos servidores e 5% como parte das perdas históricas de anos anteriores. Caso a inflação aumente até fevereiro de 2022, o pleito será atualizado.
  • Correção do valor do AUXÍLIO ALIMENTAÇÃO para R$ 36,00 (trinta e seis reais) ao dia, totalizando R$ 792,00 (setecentos e noventa e dois reais) por mês e a extensão do benefício ao segundo registro dos servidores com dois registros funcionais.
  • Correção do valor da CESTA BÁSICA para R$ 635,00 (seiscentos e trinta e cinco reais) conforme média publicada no diário oficial pelo próprio governo, e a extensão do benefício a todos os servidores de todos os níveis salariais da prefeitura (ativos e inativos), bem como ao segundo registro dos servidores com dois registros funcionais.
  • ACRÉSCIMO de 1,5% de contribuição da prefeitura para a CAPEP Saúde.
  • Iniciar um processo de mudança na lei, de forma que os servidores possam ter participação concreta na escolha dos próximos presidentes da CAPEP Saúde e do IPREV SANTOS.
  • Imediata abertura de CONCURSO PÚBLICO para todas as áreas; nomeação dos trabalhadores aprovados nos concursos vigentes; cumprimento integral dos Planos de Carreira e criação de cargos em número suficiente para suprir a necessidade dos serviços públicos em todas as áreas.
  • Imediata abertura de concurso público para a CAPEP Saúde.
  • Revogação das leis aprovadas em 2013, que autorizam a prefeitura a terceirizar os serviços públicos através de OSs, OCIPSs e ONGs e revogação de todas as atuais terceirizações na EDUCAÇÃO (Educação Especial, Cozinhas), na SAÚDE (Prontos Socorros, AMBESPs), na ASSISTÊNCIA SOCIAL (Acolhimento, Abordagem Social) e demais áreas.
  • Revogação dos itens não obrigatórios na LEI COMPLEMENTAR Nº 1.139/2021 (IPREV), que diminuiu a remuneração e aumentou a idade mínima para aposentadoria, sem consulta ao conjunto dos servidores municipais de Santos.
  • Revogação da LEI COMPLEMENTAR nº 1.125/2021 que alterou as regras do adicional de titularidade do plano de carreiras dos servidores sem consulta ao conjunto dos servidores municipais de Santos.

COMISSÃO
Outra deliberação da assembleia foi o posicionamento da categoria diante do Decreto 9.476, de 14 de outubro de 2021, que institui a “Comissão de Negociação Sindical (CNS)”.
Trata-se de uma artimanha do Governo para dar a impressão à categoria de que está dialogando. O disfarce de democracia não chegou nem a uma comissão paritária: prevê a participação de 5 membros do Governo e apenas 4 da categoria.

Sabemos que o centro da luta não é a comissão! O que nos fortalece para resistir aos ataques e avançar rumo a novas conquistas é a categoria em movimento, junto com seu sindicato.

Sabemos também que esta invenção do prefeito não tem legalmente qualquer poder deliberativo. Todas as decisões continuam tendo como instâncias máximas de decisão as assembleias. Por isso, a Assembleia decidiu que o sindicato indique os representantes para a CNS, e exija de imediato também a adição no decreto de inciso VI do artigo 3º com a seguinte redação: “04 (quatro) representantes da categoria dos servidores municipais de Santos eleitos em Assembleia do SINDSERV, com as liberações de ponto de modo a viabilizar a efetiva participação”.

Deste modo, os representantes dos servidores passam a ser maioria. Integraremos a comissão cientes de que nosso papel é ocupar este espaço sem ilusões e apenas para denunciar possíveis tentativas de manobras contra os interesses dos trabalhadores.

PARTICIPE DA ENTREGA DA PAUTA, NESTA SEXTA (12), 17h, NO PAÇO !

SÓ A LUTA COLETIVA MUDA A VIDA !

Gráfico mostra a defasagem salarial de alguns níveis salariais

Nem a inflação os prefeitos tucanos concederam em 2020 e 2021. Em 2022 precisaremos quebrar esse ciclo! Desde já precisamos arregaçar as mangas, conversar com os colegas e já nos prepararmos para uma grande luta.

Até agosto/2021 já acumulamos perda de 14,83%. Se continuar na média inflacionária atual, em fevereiro/2022 teremos perdido 20% no salário corroído pela inflação.

Veja quanto você perde de salário todo mês e quanto perdeu desde março de 2019 na CALCULADORA que fizemos aqui.

HISTÓRICO

  • Campanha Salarial 2020: o governo e os vereadores se aproveitaram que os servidores não podiam mais se mobilizar por conta da pandemia e deram ZERO%. Além da redução salarial, aumentaram em 2 pontos percentuais o desconto dos servidores para o IPREV.
  • Campanha Salarial 2021: Paulo Alexandre (PSDB) ajudou Bolsonaro e Paulo Guedes a colocarem a “granada no bolso” dos servidores (que eles chamam de “inimigo”) ao aceitar chantagem do “mito”. A chantagem consistia em só liberar recursos financeiros para os municípios os prefeitos que aceitassem não dar nenhum reajuste nos salários dos servidores (nem a inflação) até o começo de 2022.

Além disso, com essa Lei Federal 173/2020 estamos esse tempo todo sem contar o tempo para qualquer benefício (licença-prêmio, anuênios, triênios, quinquênios…).

VOCÊ VAI DEIXAR?!?

Entendemos quem ainda está insatisfeito com relação aos descontos lá da greve de 2017, mas precisamos tirar a discussão do emocional, levar pro racional e calcular: o desconto foi infinitamente menor do que se você perdesse 5,35% do salário, todos os meses (desde fevereiro de 2017) até sua aposentadoria (se você tem direito à integralidade, até seu último dia de vida).

Além do mais, quem foi intransigente, não quis negociar a reposição e impôs os descontos foi o prefeito Paulo Alexandre. E o objetivo dele era exatamente esse: que os servidores ficassem desanimados e resistentes a lutar novamente por seus direitos.

Vale a pena continuar de cabeça baixa? Se não formos pra luta, teremos mais 7 anos de perdas salariais. Rogério Santos conta com isso, apostando que os servidores fiquem inertes e desunidos, para poder destinar cada vez mais dinheiro público para os amiguinhos das Organizações Sociais que, em troca, financiam suas campanhas e empregam seus cabos eleitorais.

TODOS À ASSEMBLEIA!
DIA 11/11/2021 (QUINTA-FEIRA),
19h, no Sindicato dos Metalúrgicos
(Av. Ana Costa, 55)!

Paulo Guedes

A Proposta de Emenda à Constituição 32 (PEC 32), que institui a Reforma Administrativa, segue em pauta no Congresso, dando carta branca para os políticos dominarem completamente a máquina estatal, loteando os cargos públicos e transformando o serviço público num grande curral eleitoral.

Pilares que desde a Constituição de 1988 garantem a elevação da qualidade dos serviços públicos no país serão destruídos completamente. O pacote de maldades de Paulo Guedes e Bolsonaro inviabiliza o aperfeiçoamento técnico e profissional da administração pública ao praticamente acabar com o concurso público e a estabilidade em várias áreas.

Se o texto passar, o dinheiro público poderá ser desviado oficialmente para as empresas amigas, as campanhas eleitorais e as rachadinhas (aquele esquema em que o político contrata alguém, mas exige que o contratado deposite parte do próprio salário na conta do político).

No fim de setembro, um substitutivo do deputado Arthur Maia (DEM-BA) à PEC foi aprovado na comissão especial e os retrocessos continuam no texto, que agora vai ao plenário da Câmara.

O mais importante é entender que a narrativa da Reforma é falaciosa e visa enganar a população com palavras como “modernização” e “eficiência”. Eles dizem que as mudanças acabarão com privilégios, mas na prática é justamente o contrário. A proposta mantém as benesses e os altos salários de juízes, políticos, promotores, diplomatas, cúpula dos militares e outros.

O único objetivo dessa Reforma é piorar os serviços públicos e atacar os servidores que atendem a população mais vulnerável. Por isso, os servidores municipais de Santos, junto com funcionários públicos de outras esferas e regiões, precisam se manter unidos e mobilizados.

Acesse www.contrapec32.com.br para saber mais sobre o assunto e fique atento às futuras convocações do SINDSERV para as próximas manifestações.

VAGABUNDO!

Paulo Guedes, principal autor da Reforma, faturou R$ 14 mil POR DIA com o aumento do dólar. Em 1 mês o parasita recebeu o salário de 200 servidores municipais! Lembra da declaração dele no começo do governo?

“Dólar alto é bom. Empregada doméstica estava indo para Disney, uma festa danada”. Pois é, agora sabemos que não era apenas preconceito contra as trabalhadoras, Guedes lucra muito com o dólar alto com seus investimentos em paraísos fiscais.

Charge que mostra uma pessoa olhando para um papel com cara de desconfiança e uma sombra atrás dela em posição de ataque

A capacidade do prefeito em diversificar os ataques contra os servidores é enorme. Passada a famigerada Reforma do Iprev, a nova arma de Rogério Santos para cima da categoria é o Código de Conduta e Ética do Agente Público Municipal de Santos.

O texto passou por consulta pública e está recheado de armadilhas para amordaçar e aumentar os instrumentos de punição de forma inconstitucional aos trabalhadores.

Sabemos que a tal “consulta pública” não funciona de fato como uma ferramenta de debate. É só uma artimanha do prefeito para passar a falsa ideia de que houve discussão com a população. O assunto é extremamente técnico e de difícil assimilação até para quem atua no serviço público.

O SINDSERV já se manifestou sobre os graves problemas do novo código para o governo. Como já é costume, os representantes do prefeito se negaram a escutar e a admitir as falhas na proposta.

Se forem implantadas, as mudanças colocam no lixo princípios fundamentais e inalienáveis como, por exemplo, a presunção de inocência, que prevê que ninguém deve ser considerado culpado até prova em contrário.

Veja os principais retrocessos:

  • Prevê dispositivo ilegal que pode gerar punições em desacordo com a Lei de Greve, inviabilizando o exercício de um direito garantido constitucionalmente.
  • Definição de novas penalidades às infrações disciplinares não adotadas na legislação brasileira, portanto no campo da ilegalidade. Hoje essas modalidades de penalidades disciplinares são: advertência, suspensão, demissão, cassação de aposentadoria ou disponibilidade, destituição de cargo em comissão e destituição de função comissionada, segundo o artigo 27, da Lei nº 8112/90 (Estatuto dos Servidores Federais), que serve de modelo a ser seguido pelos Estados e Municípios.
  • Uma das penas previstas é a de suspensão dos vencimentos com a continuidade da prestação dos serviços, o que é totalmente ilegal. Já existe a pena de suspensão no Estatuto (nessa modalidade a penalidade acarreta o impedimento da prestação de serviços pelo empregado e, consequentemente, o não recebimento do salário durante o período de sua duração). A nova modalidade visa que o servidor que pratique alguma infração seja condenado a trabalhar sem qualquer remuneração pelo período da condenação, ou seja, esta modalidade é inconstitucional.
  • Retrocessos no dispositivo que tipifica atenuantes e agravantes da pena.
  • Falta de critérios e de transparência na formação e escolha dos membros das Câmaras responsáveis pelos processos administrativos disciplinares e sindicâncias. Não fica nítido como será feita a seleção de presidentes e membros, se nessas escolhas serão observadas a formação e conhecimentos adequados a fim de evitar prejuízos na condução dos processos e aos servidores.
  • O novo código fala em previsão de afastamento de agente público envolvido nos fatos a fim de que não possa interferir na apuração da irregularidade ou de que possa prejudicar o bom ambiente de trabalho. No entanto, não fica nítido se serão garantidos os princípios do devido processo legal, do contraditório e da ampla defesa e se será aberta a possibilidade do agente se manifestar quanto ao afastamento. Vale ressaltar que a remoção não pode ser utilizada como penalidade, sem o devido processo legal.

CAMPANHA SALARIAL 2022: PRIMEIRA ASSEMBLEIA DIA 11/11/2021 (QUINTA-FEIRA), 19h, no Sindicato dos Metalúrgicos (Av. Ana Costa, 55)! PARTICIPE! A assembleia é o nosso espaço para debater e decidir coletivamente o que fazer e como fazer.

DIA 11/11/2021 (QUINTA-FEIRA), 19h, no Sindicato dos Metalúrgicos (Av. Ana Costa, 55) acontece a primeira assembleia da Campanha Salarial 2022, PARTICIPE!

Ficamos 7 anos sem reajustes nos governos Beto Mansur (Republicanos). Agora já estamos com ZERO% em 2020 e 2021.

Você vai deixar continuarem reduzindo o seu salário?!

TODOS À ASSEMBLEIA!

Tem sugestões para a pauta de reivindicações? Tem ideias de ações para as mobilizações?

PARTICIPE!

A assembleia é o nosso espaço para debater e decidir coletivamente o que fazer e como fazer.

Montagem onde está escrito "Inimigos dos servidores" e as fotos dos políticos: BOLSONARO, PAULO GUEDES, ROGÉRIO SANTOS (PSDB), PAULO ALEXANDRE (PSDB), Ademir Pestana (PSDB), Adilson Júnior (PP), Adriano Piemonte (PSL), Augusto Duarte (PSDB), Bruno Orlandi (DEM), Cacá Teixeira (PSDB), Fábio Duarte (Podemos), Fabrício Cardoso (Podemos), João Neri (DEM), Lincoln Reis (PR), Marcos Libório (PSB), Paulo Miyasiro (Republicanos), Rui de Rosis (PSL), Sergio Santana (PL) e Zequinha Teixeira (PSD)

Nesse Dia dos Servidores vamos relembrar quem são aqueles que fizeram os piores ataques à categoria nos últimos tempos:

BOLSONARO

Milhares de servidores morreram por COVID-19. Muitas dessas mortes poderiam ter sido evitadas caso o presidente, desde o começo da pandemia, não tivesse: minimizado o problema, feito campanha contra as medidas necessárias (máscara, vacinação, distanciamento…) e ignorado diversas ofertas de vacinas no final de 2020.

Fora isso, através da Lei 173, Bolsonaro condicionou dinheiro federal apenas para Estados e municípios que aplicassem ataques aos servidores (congelamento dos reajustes salariais e de benefícios, aumento do desconto do IPREV para 14% etc).

PAULO GUEDES

Junto com Bolsonaro, o banqueiro Paulo Guedes está tentando emplacar agora a PEC 32 (Reforma Administrativa). Essa Reforma, na prática, vai acabar com os concursos públicos e a estabilidade dos servidores. Isso vai facilitar as perseguições, as rachadinhas, o cabide de emprego e a corrupção.

ROGÉRIO SANTOS (PSDB)

O atual prefeito aplicou a cartilha liberal atacando a previdência dos servidores e terceirizando serviços.

Aumentou o tempo de trabalho para que os servidores alcancem o direito à aposentadoria, ao mesmo tempo em que diminuiu os ganhos dos atuais e futuros aposentados e pensionistas. Esse é o mesmo Rogério Santos que ocupou diversos carguinhos comissionados no governo Paulo Alexandre, que fez diversos rombos no nosso IPREV.

Rogério também continuou o projeto de terceirizar a Educação Especial e no começo do ano conseguiu entregar uma parte desse serviço para as empresas amigas.

PAULO ALEXANDRE (PSDB)

Paulo Alexandre terceirizou várias unidades e serviços públicos durante seus governos. As empresas que ficaram fazem um rombo no orçamento da Prefeitura, do IPREV e da CAPEP.

Com a pandemia, o ex-prefeito também conseguiu fazer o que já havia tentado em 2013 e 2017: deu ZERO% de reajuste salarial por 2 anos seguidos. Em 2020 usou a pandemia como desculpa e no mesmo ano aceitou a chantagem do Bolsonaro que só entregou verbas federais aos municípios que não concedessem reajuste aos servidores em 2021.

RUI PAI (PSL)/RUI FILHO

Além do Bolsonaro, Paulo Guedes e Rogério Santos, outros 2 políticos protagonizaram o ataque às aposentadorias dos servidores de Santos.

O vereador Rui de Rosis (PSL) é o líder do governo na Câmara e faz por merecer: sua submissão ao governo consegue se destacar no covil de vereadores-capachos.

Já seu filho, por mera coincidência colocado pelo ex-prefeito Paulo Alexandre (PSDB) na presidência do IPREV, também trabalhou duro pela Reforma. Foi em diversos veículos da imprensa vender ilusões sobre o projeto, fez reuniões com vereadores, servidores…

DEMAIS VEREADORES-CAPACHOS

Já sabemos como é o caráter da maioria dos vereadores-capachos que aprovaram a Reforma do IPREV, um dos maiores ataques da história da categoria. Não esperávamos nada diferente: voto subserviente, nenhum diálogo com quem será atingido pela Reforma e tudo para inibir a participação dos trabalhadores.

Veja quem são os ladrões do futuro dos servidores e aposentados e lembre-se da cara de cada um nas eleições de 2024:

Ademir Pestana (PSDB)
Adilson Júnior (PP)
Adriano Piemonte (PSL)
Augusto Duarte (PSDB)
Bruno Orlandi (DEM)
Cacá Teixeira (PSDB)
Fábio Duarte (Podemos)
Fabrício Cardoso (Podemos)
João Neri (DEM)
Lincoln Reis (PR)
Marcos Libório (PSB)
Paulo Miyasiro (Republicanos)
Rui de Rosis (PSL)
Sergio Santana (PL)
Zequinha Teixeira (PSD)

Apesar de todos esses ataques, NÃO podemos esquecer o nosso valor enquanto trabalhadores que somos para atendimento aos munícipes, a importância de nossos trabalhos para a população assistida de nossa querida Santos.

Por isso tudo, apesar de ser a data a ser lembrada, hoje também é data de reflexão, Lutas e Resistência para manutenção dos Serviços Públicos de Qualidade. Por isso, um Viva a nós e um Viva à Resistência!

Servidores Municipais de Santos: Uni-vos!
SÓ A LUTA COLETIVA MUDA A VIDA!

ATO 28/10 em defesa do serviço público e contra a PEC32

Este 28 de outubro – Dia do Servidor Público – será mais um dia de luta. Em Santos, na Praça Mauá, a partir das 11 horas, servidoras e servidores municipais, estaduais e federais da região realizam ato em defesa do serviço público e contra a PEC 32 – a PEC da Rachadinha. O mesmo protesto também acontecerá em diversas cidades do país.

Embora a promessa seja modernizar o serviço público, por meio da chamada “reforma administrativa”, essa proposta de emenda constitucional é um retrocesso e tem outros objetivos. Dentre eles:

1) Trocar cargos públicos concursados por indicações políticas, inclusive com contratações temporárias;

2) Acabar com a estabilidade do servidor, única garantia para que desvios e irregularidades sejam denunciadas e apuradas;

3) Permitir a perseguição do servidor da ativa por governantes corruptos;

4) Privatizar o serviço público, transformando direito em mercadoria;

5) Facilitar a corrupção, com a contratação de empresas terceirizadas “amigas” de políticos para executar funções estratégicas do serviço público;

E vale lembrar: não existe serviço público sem servidor. Com o fim dos concursos, como propõe a PEC 32, a redução de profissionais e a terceirização serão inevitáveis. O resultado: aumento da demanda por planos de saúde, por escolas privadas, por assistência particular.

Em um país como o Brasil, onde comprar carne e colocar comida na mesa virou “privilégio” de poucos, não precisamos de menos serviço público; precisamos de mais! Por isso, você servidor e servidora da região, compareça ao ato e chame cada colega de trabalho à mobilização. E você, trabalhador e trabalhadora que depende de educação, saúde e assistência social, apoie esta luta!

Caso seja aprovada pelo Congresso, que ensaia a sua votação há meses, a PEC 32 significará o desmonte dos serviços públicos brasileiros. Diga sim ao Serviço Público de qualidade! Diga não à Reforma Administrativa!

Charge com servidores dizendo "reajuste salarial já!" e, atrás do dragão da inflação, aparece o prefeito Rogério Santos, o secretário de Gestão Rogério Custódio, e um representante das OSs

Estamos há 2 anos sem reajuste salarial. Nem a inflação os prefeitos tucanos concederam nessas 2 últimas datas-base. Em 2022 precisaremos quebrar esse ciclo! Desde já precisamos arregaçar as mangas, conversar com os colegas e já nos prepararmos para uma grande luta.

Na Campanha Salarial de 2020 o governo e os vereadores se aproveitaram que os servidores não podiam se mobilizar por conta da pandemia e deram ZERO%. Além da redução salarial, aumentaram em 2 pontos percentuais o desconto dos servidores para o IPREV.

Já no ano seguinte, fomos prejudicados com a decisão de Paulo Alexandre (PSDB) no ano anterior, que aceitou que Bolsonaro e Paulo Guedes colocassem a “granada no bolso” dos servidores (que eles chamam de “inimigo”, veja aqui).

A chantagem do “mito” era a de só liberar recursos para os municípios que aceitassem não dar nenhum reajuste nos salários dos servidores (nem a inflação) até o começo de 2022. Além disso, com a Lei Federal 173/2020 estamos esse tempo todo sem contar o tempo para qualquer benefício (licença-prêmio, anuênios, triênios, quinquênios…).

Até agosto/2021 já acumulamos perda de 14,83%. Se continuar na média inflacionária atual, em fevereiro/2022 teremos perdido 20% no salário corroído pela inflação.

Ficamos 7 anos sem reajustes nos governos Beto Mansur (Republicanos). Vamos ficar mais 7 anos? Entendemos quem ainda está insatisfeito com relação aos descontos lá da greve de 2017, mas precisamos tirar a discussão do emocional, levar pro racional e calcular: o desconto foi infinitamente menor do que se você perdesse 5,35% do salário, todos os meses (desde fevereiro de 2017) até sua aposentadoria (se você tem direito à integralidade, até seu último dia de vida).

Além do mais, quem foi intransigente, não quis negociar a reposição e impôs os descontos foi o prefeito Paulo Alexandre. E o objetivo dele era exatamente esse: que os servidores ficassem desanimados e resistentes a lutar novamente por seus direitos.

Entendemos a raiva pelo desconto, mas faça as contas. Vale a pena continuar de cabeça baixa? Se não formos pra luta, teremos mais 7 anos de perdas salariais. Rogério Santos conta com isso, apostando que os servidores fiquem inertes e desunidos, para poder destinar cada vez mais dinheiro público para os amiguinhos das Organizações Sociais que, em troca, financiam suas campanhas e empregam seus cabos eleitorais.

Foto da galeria

Mais um show de horrores protagonizado pelos vereadores de Santos na sessão de ontem (14/10/2021) que votou as Emendas e a redação final do Projeto de Lei Complementar 30/2021. Esse Projeto aumenta o tempo de trabalho dos servidores para alcançarem a aposentadoria e diminui os ganhos dos atuais aposentados e pensionistas, e de quem conseguir se aposentar no futuro.

Sem diálogo

Nenhuma Emenda foi aprovada. Isso já mostra um pouco a tônica da falta de diálogo do governo e vereadores com os servidores. Mas olhando mais de perto a coisa fica mais feia, muitas Emendas rejeitadas apenas minimizariam um pouco o ataque, sem trazer custo nenhum para o IPREV ou Prefeitura.

A não aprovação de nenhuma Emenda foi apenas a cereja no bolo de todo o processo autoritário que foi essa Reforma da Previdência. Primeiro o prefeito mandou o Projeto direto para Câmara com pedido de urgência sem falar nada para os servidores. Depois, até fez uma reunião com o sindicato e representantes da categoria, mas sem escutar nada, só para informar que o Projeto seria votado e pronto.

Machismo

O vereador Rui de Rosis (PSL), líder do governo na Câmara, sempre exalou machismo, mas na sessão de ontem ele se superou. A cada fala de uma das vereadoras o mesmo ficava debochando e gesticulando. Chegou ao cúmulo de interromper a fala das vereadoras Débora Camilo (PSOL) e Telma de Souza (PT) falando por cima, gritando e dando chilique.

Sem máscaras

No sentido figurado, as máscaras dos vereadores-capachos já caíram faz tempo. Já sabemos exatamente a posição subalterna que possuem e ostentam sem vergonha nenhuma na cara. Porém, as máscaras reais, as sanitárias que previnem a transmissão do Covid-19, também estão sendo sumariamente ignoradas nas sessões da Câmara por alguns vereadores.

Os vereadores Rui de Rosis (PSL) e Fábio Duarte (PODE) ficaram a sessão INTEIRA sem máscara. E a desculpa que estavam tomando água ou café não cola, pois continuaram sem máscara 100% do tempo durante a sessão. Se levantaram várias vezes para falar com outros vereadores, foram à Mesa Diretora, ao banheiro etc, tudo sem máscara.

Um enorme desrespeito a todos os trabalhadores da Câmara que são obrigados a ficar no mesmo ambiente, ao público que vai assistir a sessão e a todas as famílias das 2.131 vítimas fatais da Covid-19 em Santos.

Charge com uma professora com o pé algemado em bolas de grilhões. Cada bola tem uma coisa escrita ("Terceirização da Educação Especial", "Falta de profs", "Inquérito adm.", "Reforma da Previdência" e "2 anos sem reajuste"). E alguém falando com ela: "Parabéns professores! Nós, do PSDB, adoramos vocês!".

Mais um dia dos professores e profissionais da Carreira do magistério se aproxima. No dia 15 de outubro não aceitaremos nenhuma suposta homenagem, lembrança ou qualquer menção deste governo e dos vereadores que nos atacam constantemente e agora querem aparecer para seus eleitores como se defendessem a educação.

Para não esquecermos, veja alguns dos ataques do governo PSDB (e seus vereadores-capachos) contra os educadores durante a pandemia:

  • Forçou por 3 vezes a reabertura precipitada das escolas, contribuindo para o aumento de mortes na região (inclusive de 4 professores, 1 diretor, 1 cozinheiro e 1 auxiliar de Educação Inclusiva) e centenas de contaminados;
  • Aumentou a idade mínima para a aposentadoria das professoras (de 50 para 57 anos) e professores (de 55 para 60 anos). Tirou as licenças médicas (que não sejam relacionadas a acidente de trabalho) da contagem para concessão de aposentadoria especial de professor e ou carreira do magistério;
  • Não chamou em número suficiente os professores que já passaram no concurso público, deixando faltar professor PROPOSITALMENTE para sucatear o ensino e depois oferecer soluções mágicas como projetos dobra, criar o caos e  assim no futuro fomentar as terceirizações de profissionais ou as escolas cívico-militares;
  • Novamente deixou para fazer o Concurso de Promoção dos Professores Adjuntos em  tempo hábil, acabando assim o prazo do concurso de ingresso para professores adjuntos I e II , ainda com uma lista de centenas de profissionais concursados aprovados;
  • Procrastinou a aprovação e ainda procrastina o ingresso de professores e profissionais da Equipe Técnica ao concurso de promoção para equipes técnicas ainda vigente (apesar dos inúmeros cargos vagos);
  • Terceirizou parte da Educação Especial para as Organizações Sociais (OSs) com a desculpa de que faltava professores. Falta provocada pelo próprio governo que, além de não chamar os concursados para ingresso, fez de tudo para impedir a participação dos professores da rede, e hoje não tem profissionais suficientes nas OSs para desempenhar junto as crianças/alunos/professor titular da sala, que tanto precisam desse trabalho especializado para  desenvolvimento e interação pedagógica e social;
  • Não concedeu nem mesmo a inflação em 2020 (ZERO%) e aceitou que Bolsonaro e Paulo Guedes colocassem a “granada no bolso” dos servidores em troca do auxílio-emergencial federal (Lei Complementar Federal Nº 173, de 27 de maio de 2020). Isso impediu o reajuste também em 2021 (ZERO% novamente);
  • Tentativa de intimidar abrindo inquérito administrativo contra 15 Profissionais da Carreira do Magistério por uma foto vazada de crianças no pátio da escola. A foto era para uma discussão interna de se elaborar uma entrada e saída de alunos possível sem aglomeração. Ao invés da Seduc se preocupar com os riscos às crianças e trabalhadores, se preocupa em punir os profissionais que também são vítimas do ambiente inseguro.

Foi isso que nós, professores e equipes técnicas, recebemos enquanto nos virávamos para manter as aulas remotas (que aumentou e muito nossa carga horária). Isso que recebemos em troca enquanto estamos pondo a vida em risco com salas superlotadas de crianças que ainda não têm idade para seguir todos os protocolos adequadamente.

Por isso, que não venha com  a hipocrisia habitual felicitar e se promover em cima da educação nesse dia, se você (governo, secretários e vereadores) nos ataca incessantemente durante todo o resto do ano.

Os profissionais do Magistério EXIGEM RESPEITO e não tapinha nas costas.

O SINDSERV Santos deseja aos professores e profissionais da Carreira do magistério boa saúde, camaradagem nas relações e disposição para as lutas da vida!

SÓ A LUTA COLETIVA MUDA A VIDA!