Professores e demais profissionais da Educação da UME Oswaldo Justo não entraram na unidade por falta d’água.

A Prefeitura de Santos anunciou o retorno das aulas presenciais garantindo aos pais e aos trabalhadores que todas as medidas de segurança contra o coronavírus já haviam sido tomadas.

Pois bem, a realidade é que não tinha nem água na escola para lavar as mãos. Nessas condições, os professores e demais trabalhadores se recusaram a entrar na UME Prefeito Oswaldo Justo agora de manhã.

Esse retorno das aulas presenciais é forçado pelo governo à revelia dos trabalhadores que são contra. As mães e pais de alunos também já rejeitaram a tentativa do governo em retornar com as aulas presenciais sem a vacina em consulta realizada pelo próprio governo.

Não satisfeitos, ainda fizeram nova consulta, mas separando por unidade. Na nova consulta também foi rejeitado o retorno sem vacina em TODAS as comunidades escolares!

Estamos em pleno avanço da chamada “segunda onda” e Santos é a cidade com o maior índice de mortalidade em todo o Estado de SP. Já passamos das 1.000 mortes (incluindo uma criança). Para os trabalhadores, o retorno às aulas presenciais neste momento NÃO AJUDARÁ EM NADA no aprendizado, servirá apenas para espalhar ainda mais o vírus.