Servidores que não puderam entrar na Câmara

Como esperado, mais uma vez os vereadores mostraram que são capachos do governo PSDB e votaram como mandou o prefeito. A relação é tão promíscua que o Executivo agora tem até uma mesinha dentro do plenário pro Secretário de Gestão, Rogério Custodio, passar as ordens diretamente para os seus subordinados.

Prefeito mandando nos vereadores através do Secretário de Gestão, Rogério Custodio

Por 15 votos a 5, a Câmara aprovou em primeira discussão o Projeto de Lei Complementar 30/2021, que altera as regras da previdência, obrigando os funcionários públicos a trabalharem mais e a receberem menos na aposentadoria.

Apesar das muitas vaias e protestos dos trabalhadores, tudo saiu como o prefeito queria. Sem diálogo, em regime de urgência e sem respeito a quem faz a máquina municipal andar. Tudo isso em plena pandemia e com a previsão de aumento de 13,9% na arrecadação para o município.

REPRESSÃO

O prefeito Rogério Santos (PSDB) mandou montar um verdadeiro esquema de guerra para coibir o ingresso e a manifestação dos funcionários. Todas as entradas da Câmara foram cercadas com grades e veículos da Guarda Municipal e da Polícia, impedindo inclusive a concentração dos servidores na calçada em frente à Câmara.

Esquema de guerra impediu até concentração dos servidores na calçada em frente à Câmara

O clima repressor foi alvo de críticas dos vereadores Telma de Souza (PT), Chico Nogueira (PT) e Débora Camilo (PSOL). Ao mesmo tempo, mostrou que o nome “Casa do Povo”, como hipocritamente os parlamentares se referem ao Legislativo, está muito longe de ser uma realidade em Santos.

Segundo eles, foram distribuídas 116 senhas. Porém, a distribuição foi feita primeiro nos gabinetes, depois na entrada da Câmara. Ou seja, a estratégia era que a galeria ficasse com bem menos do que 116 pessoas e deixar vários funcionários municipais de fora.

VOTARAM CONTRA OS SERVIDORES E A FAVOR DA REFORMA DO IPREV

Ademir Pestana (PSDB)
Adilson Júnior (PP)
Adriano Piemonte (PSL)
Augusto Duarte (PSDB)
Bruno Orlandi (DEM)
Cacá Teixeira (PSDB)
Fábio Duarte (Podemos)
Fabrício Cardoso (Podemos)
João Neri (DEM)
Lincoln Reis (PR)
Marcos Libório (PSB)
Paulo Miyashiro (Republicanos)
Rui de Rosis (PL)
Sergio Santana (PL)
Zequinha Teixeira (PSD)

VOTARAM A FAVOR DOS SERVIDORES E CONTRA A REFORMA DO IPREV

Audrey Keys (PP)
Chico Nogueira (PT)
Débora Camilo (PSOL)
Benedito Furtado (PSB)
Telma de Souza (PT)

FIQUEM ATENTOS À 2ª VOTAÇÃO!