– Rogério Santos (PSDB), ex-secretário de governo, candidato a prefeito indicado por Paulo Alexandre;
– Banha (MDB), vereador por 5 mandatos, candidato a prefeito;
– Ademir Pestana (PSDB), vereador, candidato ao 5º mandato;
– Adilson Junior (PP), vereador, candidato ao 4º mandato;
– Audrey Kleys (PP), vereadora, candidata ao 2º mandato;
– Augusto Duarte (PSDB), vereador, candidato ao 2º mandato;
– Benedito Furtado (PSB), vereador, candidato ao 6º mandato;
– Boquinha (PL), vereador, candidato ao 4º mandato;
– Braz Antunes (PSDB), ex-vereador, candidato ao 4º mandato;
– Bruno Orlandi (DEM), vereador, candidato ao 2ª mandato;
– Cacá Teixeira (PSDB), vereador, candidato ao 4º mandato;
– Carabina (PSDB), ex-vereador, candidato ao 3º mandato;
– Dr. Catapreta (PP), suplente de vereador, candidato ao 1º mandato;
– Fabiano da Farmácia (PL), vereador, candidato ao 2º mandato;
– Hugo Duppre (REPUBLICANOS), vereador, candidato ao 4º Mandato;
– Lincoln Reis (PL), vereador, candidato ao 2º mandato;
– Manoel Constantino (PSDB), vereador, candidato ao 10º mandato;
– Pastor Roberto de Jesus (REPUBLICANOS), vereador, candidato ao 4º mandato;
– Paulo Mansur (PP), empresário (sobrinho de Beto Mansur, condenado por manter trabalhadores em situação análoga à escravidão e ex-prefeito que deixou os servidores 8 anos sem reajuste), candidato a vereador;
– Rui de Rosis (PSL), vereador, candidato ao 2º mandato;
– Sergio Santana (PL), vereador, candidato ao 3º mandato;
– Zequinha Teixeira (PP), vereador, candidato ao 3º mandato.

Paulo Alexandre (PSDB) aceitou que Bolsonaro e Paulo Guedes colocassem a “granada no bolso” dos servidores em troca do auxílio-emergencial federal por conta da pandemia (Lei Complementar Federal Nº 173, de 27 de maio de 2020).

Com isso, os servidores de Santos ficarão 2 anos sem reajuste salarial. Ou seja, por força de Lei não será possível nem mesmo reajustar os salários pela inflação. Paulo Alexandre já não reajustou esse ano e o próximo prefeito não poderá reajustar até o começo de 2022.

Lembrando que o Governo também não promoveu de forma eficiente as carreiras da Guarda e do Magistério, prejudicando assim a evolução funcional prevista em lei.

NÃO VOTE NELES:

– Parte 1 (introdução);
– Parte 2 (campanhas salariais);
– Parte 3 (granada no bolso);
– Parte 4 (IPREV);
– Parte 5 (CAPEP);
– Parte 6 (aumento do desconto);
– Parte 7 (Titularidade);
– Parte 8 (ataque aos servidores doentes);
– Parte 9 (calotes);
– Parte 10 (Portarias e Decretos);
Parte 11 (incorporações);
Parte 12 (terceirizações);
Parte 13 (ver para não esquecer).

Deixe um Comentário

Você precisa fazer login para publicar um comentário.