Era para o projeto de lei sobre a Capep ser discutido e votado somente depois do recesso e com a condição de ser pautado apenas depois de avanços em relação às reivindicações da categoria. A palavra empenhada pelo presidente da Câmara, Marcus De Rosis, na sessão legislativa da última segunda-feira, foi para o lixo. O projeto deverá ser pautado em primera discussão nesta sexta-feira, dia 3, às 10 horas, durante sessão extraordinária.

Entenda a reviravolta:

29/06 – com o encaminhamento do projeto de lei que taxa os dependentes da Capep à Câmara pelo Governo, servidores protestam na Sala Princesa Isabel e interrompem a sessão. O presidente da Câmara, Marcus De Rosis, dá sua palavra de que o projeto não será votado em julho e não será pautado sem que seja atendida pelo menos parte das reivindicações da categoria.

30/06 – veradores e o prefeito Papa se reúnem para tratar do assunto. Fica decidido que o Executivo encaminhará uma emenda ao projeto de lei, estipulando os valores a serem pagos por cada dependente conforme faixa etária e grau de parentesco, conforme tabela já divulgada. Fica estipulado que os descontos não ultrapassarão o limite de 7% do salário do titular, independentemente do número de dependentes inscritos.

01/07 – nova reunião, desta vez com alguns vereadores, o secretário de Administração, Edgard Mendes Baptista Jr., e o Sindserv. O Governo comunica o teor da emenda e avisa que mandará o projeto à plenário. O Sindserv ressalta que não há necessidade de taxação de dependentes para que a Capep volte a ter equilíbrio financeiro – basta que a Prefeitura eleve para 4% sua contribuição sobre a folha de pagamento. O sindicato argumenta ainda que nenhuma das reivindicações da categoria foi atendida, especialmente as que tratam das mudanças de gestão da Capep, como a saída do superintendente Mota, o fim do contrato com a empresa E&E e a realização de eleições diretas para superintendente e conselheiros. Com a costumeira intransigência, Governo e presidência da Câmara convocam duas sessões extraordinárias para votar o projeto sem discussão com os trabalhadores. As sessões serão nesta sexta, às 10 horas, e no sábado, no mesmo horário.

A única chance que temos de barrar o rolo compressor do Governo e sua bancada majoritária na Câmara é a mobilização. Por isso, o Sindserv convoca mais uma vez todos os trabalhadores a lotarem as galerias da sala Princesa Isabel, no Paço.

TODOS NA CÂMARA NESTA SEXTA, 10 HORAS!

 Veja o projeto na íntegra clicando no link abaixo:

   

Deixe um Comentário

Você precisa fazer login para publicar um comentário.